pt-PTen-GB
pt-PTen-GB

Tipo Epaper Programa Engenharia
Alcance Nacional País Portugal
Página 0 Frequência Diário
FAV : 5
 
AVE :
 
Construir 03-04-2018








A Ordem dos Engenheiros, através da sua Especialização em Transportes e Vias de Comunicação, organiza esta terça-feira, 3 de Abril, na sua sede nacional, em Lisboa, a partir das 16h00, uma mesa redonda sobre o Plano de Expansão da Rede do Metropolitano de Lisboa, que prevê a possibilidade de criação de uma linha circular, a partir da rede existente, com alterações profundas do conceito actual.
Segundo revela a Ordem em comunicado, a iniciativa visa dar a conhecer e debater todos os pressupostos que levaram à adopção da solução que está a ser considerada, assim como os eventuais desenvolvimentos futuros, contando para o efeito com o Metropolitano de Lisboa, acompanhado por elementos da equipa projectista, e com três especialistas, designados pela Especialização de Transportes e Vias de Comunicação, aos quais competirá a análise crítica e comentários às principais linhas de intervenção identificadas no projecto.Destaque para as intervenções de Vítor Santos, presidente do Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa, assim como de Nunes da Silva, Santos e Silva e Artur Bívar, especialistas em Transportes e Vias de Comunicação.

A rede de Metropolitano de Lisboa vai ser ampliada para ligar o Rato ao Cais do Sodré e São Sebastião a Campo de Ourique. O metro da capital vai ter mais duas estações até 2021, Estrela e Santos. Estão previstas também estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora sem uma data prevista de conclusão. A curto prazo, a grande novidade é que para a estação de Arroios está prevista a ampliação do cais através de um investimento total de 7,5 milhões de euros.

Está também previsto investimento nas estações do Areeiro, onde será remodelado o átrio norte; no Colégio Militar/Luz, onde serão melhoradas as acessibilidades; nos Olivais, onde haverá intervenções na estrutura e ainda na estação da Baixa/Chiado, onde serão modernizadas as escadas rolantes.Os concursos para a expansão da rede devem avançar no segundo semestre de 2018 e a entrada ao serviço é apontada para final de 2021. O custo da obra é de 216 milhões de euros, com recurso a fundos comunitários e a empréstimo no Banco Europeu de Investimento (BEI).


Redirecionar para Área de Clipping